Deixe de se chamar “Pecador”



Olá meus queridos, tudo bem?
Cá estou, novamente, depois de alguns dias sem postar algo aqui no blog! Nossa!...Desculpem-me pela ausência... Mas, realmente, esses últimos dias tem sido bastante intensos em termos de faculdade...Bem, Satisfações dadas, agora vamos ao que interessa! 
Esses dias li um texto de um amigo meu, onde Deus o usou de forma tão graciosa, e me fez refletir sobre diversas coisas, por conta disso achei digno de ser compartilhado com vocês. Vamos ao post...

Há pregadores que se sentem na obrigação de  contemplar a corrupção de nossos corações até  que sintamos desprezo de nós mesmos por conta  do quão pecador somos.
Eles acreditam que  esse "auto-desprezo" supostamente nos fará voltar à cruz, de onde clamaremos ao Senhor que nos perdoará, nos  concederá a graça e só então nosso gozo será restaurado. Esse tipo de vida é chamado equivocadamente de "vida de arrependimento".

Agora eu te pergunto: Haverá algo mal nisso? Melhor seria perguntar se há algo bom. É como meter a cabeça numa lixeira e tirá-la para respirar de vez em quando.

Viver dessa maneira pode deixar qualquer um louco.
É correto dizer que há pecado oculto em nossos corações. Os resquícios de corrupção são sempre piores do que pensamos. Entretanto, é errado assumir que devemos “habitar” nisso.
Agora você me pergunta: Então, como devo me chamar?
Qual é a nossa identidade como cristãos? Somos pecadores em busca de graça? Ou somos santos com resto de corrupção?
O pecado não identifica os cristãos como pecadores, ele os condena! Nós cristãos TEMOS que tomar nossa identidade da união que temos com Cristo, e não união que temos com Adão, o pecado veio ao mundo por conta de Adão e Eva. 
Somos santos não pecadores, mesmo quando pecamos.
A nóia de que somos 'pecadores', que vamos 'queimar no inferno', que somos 'carne' não está errada, pois temos que procurar evoluir sempre, MAS, despoja a GRAÇA de Deus e sua soberania, e nos faz depender de nossa capacidade de nos arrependermos apropriadamente, para só então"ficarmos de bem com Deus e  com a vida".
A verdade é que nunca poderemos nos castigar o suficiente. Jamais poderemos ser humilhados suficientemente, porque nunca seremos suficientes em nada! NADA!

“Ainda que a humildade seja uma virtude, não é a forma pela qual Deus nos prover sua graça”. O único veículo da graça reconhecido no Novo Testamento é a fé.

O Novo Testamento não autoriza aos cristãos viver uma vida de arrependimento "arrastando se". Se fosse assim, tal conselho se destacaria no mesmo. Ao contrário, vemos exortações para nos firmarmos em nossa identidade de santos de Deus, com autoridade sobre o mundo, a carne e o diabo. Quantas epístolas foram escritas e dirigidas a pecadores? Nenhuma. 
Quantas foram dirigidas aos santos? Todas elas.  Isso quer dizer que nunca deveríamos nos chamar de pecadores?

Certamente que poderíamos se com isso estamos nos referindo aos  resquícios de corrupção em nossa natureza.  Vivemos em uma luta permanente contra o pecado que resta em nossa carne. Esta corrupção é deveras pecaminosa. Que não nos convençamos que nosso status diante de Deus é inapropriado simplesmente pelo fato de sermos pecadores. Ao contrário, que nos chamemos como o próprio Deus nos chama... Santos! 

Minha opinião baseada na leitura do livro: "Avivamento pessoal" de Roger e Diane. 
https://www.facebook.com/RostanTankian

Rostan Ferreira
Deus os Abençoe:*
Maiara Albuquerque

0 Comente:

Postar um comentário